ser-nomada-digital-no-brasil

Ser nómada digital no Brasil

Das melhores experiências enquanto nómada digital, sem dúvida, que está o Brasil. Meses passados e recordo com cada vez mais carinho, e muita saudade, a temporada que aqui passei! Ora bem, lamechices à parte, fica a informação: passei três meses no Brasil, até porque o visto não dá para mais!

Como referi anteriormente, adorei o Brasil! Não só o clima, como as paisagens e a cultura são incríveis, como também a comida é óptima. Sinceramente, não fosse a questão da segurança e mudava-me hoje mesmo para o Rio de Janeiro ou para São Paulo. Embora não me tenha acontecido nada, basta olhar para as estatísticas para saber que não é um país onde pudemos sair à rua sem alguns cuidados. Além disso, facilmente conhecemos histórias em primeira mão (não apenas do amigo do amigo), que demonstram os problemas do país.

 

Destinos no Brasil

Depois da Bolívia, cheguei a São Paulo em junho e fiquei aqui três semanas. Depois, um mês no Rio de Janeiro e o último mês foi dividido entre Floripa, Salvador e Recife, com passagem por Fernando de Noronha. Aqui ficam algumas considerações sobre os principais locais por onde andei enquanto nómada digital no Brasil.

São Paulo

nomadismo-digital-brasil
Da Paulista, ao Pelé Beijoqueiro passando pela feijoada

Apesar da maioria dos meus amigos brasileiros estarem constantemente a diminuir São Paulo, por insistência de outros dois, acabei por ir. E fui o melhor que fiz! Isto para dizer que sim, vale a pena visitar São Paulo. Não só porque estamos “só” a falar da maior cidade da América do Sul, mas também porque á uma cidade do cara**o ebem cosmopolita, ao nível de Londres ou Berlim! Além disso, estão aqui alguns dos melhores restaurantes do continente – a sério, comer em São Paulo é um luxo!

Para um nómada digital em São Paulo há ainda um extra: um Google Campus! Ou seja, um coworking grátis e com excelentes condições.

Rio de Janeiro

brasil-nomada-digital
“Da janela vê-se o Corcovado / O Redentor que lindo”

O que dizer sobre o Rio de Janeiro que nunca foi dito?! Confirma-se: é a cidade maravilhosa. Ainda mais, para assegurar que ficava numa boa zona, abri mais os cordões à bolsa e fiquei num AirBnb incrível em Ipanema a sete minutos da Lagoa e a cinco da praia. Tudo melhorou consideravelmente quando fiz a conta na Bike Itaú e pude andar de bicicleta pelos principais bairros: Ipanema, Leblon, Botafogo, Copacabana,…

Outro ponto a favor do Rio é que, tal como São Paulo, há também museus e muitos locais para visitar. Se bem que o bónus do RJ é mesmo a beleza natural da cidade. Contudo, o reverso da medalha é mesmo a questão da violência. É saber que depois das 23h00 é melhor evitar andar a pé ou andar na rua em modo “chinelo no pé”. Nada contra, apenas que é uma chatice ter de ser tão consciente deste facto!

VISITAR O RIO DE JANEIRO

Florianópolis

nomada-digital-brasil
Ou Floripa para os amigos é uma fofinha mais no sul do Brasil, ou seja, se vão lá no inverno, como eu, faz… FRIO! Logo, não dá para aproveitar o melhor de Floripa que são as suas (muitas) praias. Até porque a cidade em si, não é mesmo nada de especial. A melhor parte é a Ilha de Santa Catarina, onde se podem encontrar várias povoações com toque bem açoreano.

 

Salvador da Baía

brasil nomadas digitais

Obviamente que quer em São Paulo, quer no Rio vi favelas e aquele Brasil mais degradado. Contudo, nada me preparou para a degradação do Salvador. Apesar do centro estar bem conservado (e ser meeeeesmo muito bonitinho), o resto da cidade deixa um pouco a desejar. Ainda assim, gostei mesmo muito de Salvador. Outra vantagem, claro está, são as belas praias e os preços, já que a cidade é mais baratinha. E o acarajé, obviamente!

Recife

E o que eu detestei Recife?! Foram duas semanas bem penosas e em contagem decrescente! O centro é um marasmo. E, sim, Olinda é linda, mas vê-se num dia. Também podem ir a Porto de Galinhas, ainda que seja mais de uma hora de viagem. Mas preparem-se, pois parece um Benidorm made in Brasil.

Quanto à cidade em si, como disse antes: UMA SECA! Não se pode ir à água, porque há tubarões e nem dá para ir à praia, após um dia de trabalho, porque graças aos prédios juntos à costa, não há um trecho de sol!

A razão pela qual fui ao Recife foram na verdade duas! Primeiro, porque foi a cidade onde encontrei o voo de regresso mais barato – cerca de 300 euros. Depois, porque a par de Natal, é a única cidade com voos para Fernando de Noronha diretos. E visitar as praias de Fernando de Noronha era, desde o princípio, ponto assente para mim! E, sim, foi incrível!

sobre FERNANDO DE NORONHA

Além destas cidades, pelo meio pude também ir a Paraty (entre SP e Rio), Niteroi, Petropolis (ambas perto do RJ), Olinda e Porto de Galinhas (as duas perto de Recife).

 

Nomadismo Digital no Brasil – Pontos positivos

Sinceramente, acho que para um português o Brasil tem sempre um encanto extra. Afinal, são tantas as referências (desde as telenovelas às músicas), que é impossível não sentir alguma curiosidade. Obviamente que ser o mesmo idioma também ajuda. Ainda que tenha ouvido pérolas maravilhosas como:

  • “Mas você até fala bem português” – depois de dizer que era portuguesa
  • “Ai fala português? Pensei que era argentina!”

Ainda assim, foi só incrível e as pessoas, na sua maioria, são super educadas e muito, muito gentis. E come-se TÃO bem! E há sítios tão bonitos! Além das paisagens serem sempre tão diversas. Enfim, já vos disse que ia HOJE viver para o Rio?!

Brasil-nomada-digital
Ser nómada digital no Brasil: o bom e o mau

Nomadismo Digital no Brasil – Pontos negativos

Quanto aos pontos negativos, acho mesmo que o pior é a questão da violência. Saber que ela existe é suficiente para nos condicionar e repensar como vamos gerir o dia-a-dia. Além disso, sou pessoa que gosta de voltar para casa às três da manhã confiante de que vou sobreviver. Obviamente que me pode acontecer alguma coisa em Lisboa ou em Berlim, é só uma questão de sorte e probabilidade!

Outro problema do Brasil que mói é a questão do racismo. Não sou das que acha que Portugal não é um país sem racismo, beeeeem longe disso. Contudo, num país onde a maioria da população é negra, chegar a restaurantes e ver apenas brancos à mesa ou na praia, a apanhar sol, durante a semana; é um sintoma grave. Da mesma forma que quem se vê a fazer trabalhos mais precários, assim como de uniforme (de emprega, babá, porteiro, etc.) são sempre negros.

Quanto à típica questão do “Brasil é caro?”, a reposta é “sim, pode ser!” Aliás, para um nómada digital no Brasil é-o muitas vezes. Não só porque cidades como Rio, SP ou Floripa são caras, mas também porque ficar nos ditos bairros mais seguros, sai também caro.