o-que-visitar-em-coimbra-na-margem-direita

O que visitar em Coimbra na margem direita

 

Para começar, se procura o que visitar em Coimbra, saiba que a maioria das atrações da cidade estão deste lado do rio Mongedo. Ainda assim, não deixe de visitar a margem esquerda, que é também uma lindona, a merecer uma visita.

O que fazer em Coimbra na margem esquerda

Contudo, neste artigo o foco é mesmo visitar a margem direita de Coimbra. Por isso, aqui vamos nós – e prepare-se para subir!

1. A baixa de Coimbra

visitar-coimbra-baixa
Começar pela Portagem e seguir pela baixa

Primeiramente, para quem é de Coimbra, a baixa é o centro da cidade; enquanto, para quem vem estudar em Coimbra, o centro será certamente a Praça da República.
Seja como for, aproveitem para começar pela Portagem e fazer a rua Ferreira Borges. De um lado, está a Praça do Comércio, segundo-se depois um pequeno labirinto de ruas e ruelas, onde entre edifícios abandonados há também lojas e restaurantes. A verdade é que depois da construção dos dois centros comerciais de Coimbra (sim, Coimbra tem dois!!), a baixa ficou às moscas – doeu. Contudo, aos poucos, a vida parece voltar e novos espaços abriram, ainda que mais voltados para turistas!
Antes de deixar a baixa, uma dica de ouro: lanchar no Arco-Íris, uma das melhores pastelarias de Coimbra.

Melhor lanche de Coimbra

 

2. Igreja de Santa Cruz

cafes-coimbra
Foto de Facebook do Café de Santa Cruz

Situada na Praça 8 de Maio, entalada pela rua da Sofia e pela rua Ferreira Borges, a Igreja de Santa Cruz foi fundada em 1131 pela Ordem dos Cónegos de Santo Agostinho, com o apoio de D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal e do seu filho D. Sancho I. Aliás, ambos estão aqui sepultados. Ao lado está a Câmara Municipal e o Café Santa Cruz, com uma esplanada bem catita.
Aliás, não deixe de visitar o café por dentro, pois é quase uma continuação da igreja e, em algumas noites, há actuações de fado de Coimbra. Além disso, o Café Santa Cruz é, sem dúvida, um doa mais bonitos cafés históricos de Portugal. Aproveite também para provar os Crúzios, que andam há anos a ganhar medalhas de ouro, na categoria de Pastéis com Amêndoa

  • Morada da Santa Cruz: Praça 8 de Maio, 3001-300 Coimbra

 

3. A Sé Velha

Se-velha-serenata
A Sé Velha em Coimbra durante a Serenata, na Queima das Fitas

Ainda na rua Ferreira Borges, aproveite para passar o Arco d’ Almedina (a antiga porta da cidade) e prepare-se para subir, subir e subir! É sempre a subir até chegar à Sé Velha, uma lidinha de estilo românico, que foi mandada construir após a Batalha de Ourique (em 1139), quando Afonso Henriques já se dizia ser rei de Portugal – nestes tempos Coimbra era a capital do reino, não nos podemos esquecer!
Hoje em dia, quando começa a Queima das Fitas é aqui, nas escadas da Sé Velha, que se canta a Serenata, enchendo o largo de Harry Potters… perdão, estudantes.

  • Morada da Sé Velha: Largo Sé Velha, 3000-383 Coimbra

 

4. A Sé Nova

se-nova-em-coimbra
A visitar em Coimbra: a Sé Nova

Continuando a subir e depois de passar pelo Museu Machado de Castro, está a Sé Nova. Obviamente que a Sé Nova, é maior e mais tudo do que a Sé Velha, afinal esta menina é do estilo Barroco!
Na minha opinião, e se vão com tempo, aproveitem visitar em Coimbra, o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, pois vale mesmo a pena! Aliás, aqui a menina que vos escreve, fez um direto para a rádio no dia da inauguração do mesmo, em 2006!

  • Morada da Sé Nova: Largo Feira dos Estudantes 3000-213 Coimbra.

 

5. Visitar a Universidade de Coimbra

Universidade-Coimbra
Universidade de Coimbra

Obviamente que nenhuma visita a Coimbra, pode deixar de lado a universidade. Não muito longe da Sé Nova, está a Universidade de Coimbra. Entre em grande, pela Porta Férrea e olhe para cima, encarando a conhecida Cabra, a torre do relógio.

Se quiser visitar a Capela, assim como a Biblioteca Joanina, tem de comprar os bilhetes no edifício que se encontra do lado de fora, á esquerda.

Relativamente à Universidade de Coimbra, esta é uma das mais antigas do mundo (foi fundada em 1290) ainda em operação, sendo a mais velhinha e uma das maiores de Portugal.
Além das visitas da praxe, aproveite também para entrar nas faculdades que a rodeiam, como a de Letras (à esquerda) ou a de Medicina e de Matemática mais à frente. Posto isto, tem duas hipóteses ou segue pelo aqueduto ou desce as escadas Monumentais, que vai à Praça da república.

  • Morada da Universidade de Coimbra: Pátio das Escolas, Coimbra

 

6. O Aqueduto de São Sebastião

Aqueduto-Sao-Sebastiao
Aqueduto de São Sebastião o famoso aqueduto de Coimbra

Em Coimbra, o Aqueduto de São Sebastião é na verdade mais conhecido como Arcos do Jardim. Embora remonte a um velhinho aqueduto romano, o que vemos hoje é uma obra do século XVI, dos tempos de D. Sebastião. Do outro lado e de braços no ar, está a estátua de João Paulo II, o Papa morto, a quem vestem a camisola de Portugal, cada vez que há jogo!

  • Morada do Aqueduto de São Sebastião: Largo João Paulo II, Coimbra 3000-227

 

7. Jardim Botânico de Coimbra

jardim-botanico-de-coimbra
Jardim Botânico Coimbra

Mesmo ao lado, não deixe de visitar o Jardim Botânico. Aliás, Jardim Botânico e Herbário da Universidade de Coimbra, para os amigos Além de um sem fim de plantas (inclusive plantas carnívoras – recordo-me de em miúda ficar fascinada com elas), os amantes da botânica têm uma biblioteca e um herbário, com mais de um milhão de plantas oriundas de todo o mundo ao dispor!

  • Morada do Jardim Botânico: Calçada Martim de Freitas, 3000-456 Coimbra

 

8. Praça da República

jardim-da-sereia-coimbra
Jardim da Sereia em Coimbra, mesmo junto à Praça da República

Antes de terminar, o outro centro de Coimbra: recordam-vos quando vos disse que para os universitários, a Praça da República é o centro de Coimbra? Pois bem, se vão passar uma noite em Coimbra, a praça é o local onde tudo acontece!
A praça encontra-se rodeada de cafés e de boas esplanadas – e, claro, do Jardim da Sereia. Não muito longe dali, está o Teatro Gil Vicente e também a AAC – Associação Académica de Coimbra. Aqui, na lateral, podem ver os azulejos com a evolução do traje académico.
Se querem uma dica para um café, durante os meus tempos de estudante, o Tropical foi como uma segunda casa. Ainda hoje, sempre que volto a Coimbra, lá volto eu, para beber o Moscatel da praxe.

9. Santo António dos Olivais

Antes demais, que fique claro: Santo António dos Olivais não tem museus, nem monumentos, ok? Todavia, a razão pela qual eu recomendo um passeio por esta freguesia de Coimbra é porque em tempos foi (ou talvez ainda seja),  uma das zonas mais chiques de Coimbra. Nesse sentido, preparem-se para ver casas que são verdadeiros palacetes, onde ainda é possível ver empregadas de farda a sacudir tapetes. Enfim: um mundo à parte, o mundo Coimbrinha!
Hoje em dia, muitas dessas casas viraram escritórios ou instituições. Exemplo disso, é o caso da Faculdade de Economia na Dias da Silva ou do Instituto Miguel Torga, em Celas. Na minha opinião, a melhor rua para apreciar a arquitectura é a na avenida Dr. Dias da Silva.

10. Os parques de Coimbra na margem direita

parques-em-coimbra
O Choupal, um dos mais bonitos parques de Coimbra

Para terminar: os mais emblemáticos e bonitos parques de Coimbra na margem direita. Para começar, o Parque Manuel Braga, que durante anos foi o principal jardim do centro de Coimbra e é um lugar maravilhoso. Aliás, aqui encontrarão o famoso restaurante Itália, onde é possível comer mesmo à beira rio. Mais à frente, está o Basófias, o barco que faz passeios pelo Mondego.
Mais recente na história da cidade está o Parque Verde do Mondego, este que ainda anda a lutar com as águas do rio, que no inverno tudo inundam – claramente, os arquitectos do Parque Verde não são de Coimbra. Ah, aqui não deixem de ir tirar uma foto ao urso!
Já a Mata Nacional do Choupal está mais distante do centro, mas com uma área de 79 hectares e sempre à beira-rio, é dos parques mais agradáveis da cidade.