nomada-digital-tailandia

Ser nómada digital na Tailândia

Antes de falar da minha experiência e como é ser nómada digital na Tailândia, parto do princípio que sabem a Tailândia é o paraíso digital dos nómadas digitais! Afinal, além de boa, a comida tailandesa é também barata e a paisagem bem diversificado, com praias de babar!

Contudo, há outras vantagens. De uma forma geral, o país está mais do que acostumado a estrangeiros e não só entrar no país é simples, como a facilidade para se conseguir alargar o visto na Tailândia é notável. Eu tive de o fazer e foi super fácil, bastou ir ao gabinete, preencher papelada, umas fotocópias do passaporte e em meia hora estava tudo feito!

Quanto à Internet na Tailândia, no geral é boa e cumpre. Obviamente que pode haver más surpresas – aconteceu-me em Chiang Mai – mas isso está mais relacionado com o serviço contratado no local onde estava. Ou seja, se comprarem um SIM ou forem a outro local, a coisa funciona!

 

Por onde andei na Tailândia:

Quanto a mim, andei por Chiang Mai, por Krabi e terminei em Bangkok.

Começando por Chiang Mai, esta cidade é a par de Bali, considerada muitas vezes o paraíso dos nómadas digitais. Já tinha estado em Chiang Mai em 2012 e recentemente, em 2018, o contraste era brutal – mais moderna, mais cara, mais tudo. Contudo, é uma cidade prática e conveniente e entendo o fascínio e o porquê de ser considerada dos melhores destinos para nómadas digitais. Pessoalmente, a constante comparação estragou um pouco a experiência. Frustrou-me não encontrar os sítios onde comi há anos atrás e ver que quase todos os restaurantes de Chiang Mai estão feitos para turista e nómada ver.

Quanto a Krabi foi um sonho! Manhãs na praia, após um pequeno-almoço de panquecas bem gordinhas e tardes passadas a trabalhar. E como chovia quase sempre, nem custava nada. Em Krabi, eu optei por ficar em Railawy Beach. O hostel era bem básico, com galinhas a passear pelos bungalows e pequenos sapinhos a aparecerem na casa de banho. Foram dias beeeeem felizes!

Por último, Bangkok, uma das cidades mais loucas do sudeste asiático. Sei que muita gente “passa a correr” por Bangkok, mas a cidade vale a pena e tem os seus atractivos. Até porque há um lado cosmopolita da cidade, que muitas vezes ignoramos quando vamos em modo mochileiro.

Por exemplo, sabiam que é aqui que está o melhor restaurante da Ásia, o Gaggan e que é ÓTIMO? Ou que podem comer no Raan Jay Fai, um restaurante de comida de rua, com uma estrela Michelin? Aliás, a parte da comida foi mesmo onde me perdi em Bangkok, pois a par da muita comida de rua, que continua ótima por aqui, se saem do centro, há também excelentes restaurantes e rooftops, onde uma pessoa facilmente perde um bocadinho a cabeça!

 

tailandia-nomadas-digitais

Nomadismo Digital na Tailândia – Pontos positivos

Relativamente aos pontos positivos, como referi antes, bons preços. Afinal, com comida boa e barata e Internet funcional já é meio caminho andado para se ser feliz. A facilidade com que podemos comunicar com os tailandeses, assim como a sua amabilidade são outras das vantagens da Tailândia para nómadas digitais. Juntem a isso a localização, que vos permitirá viajar facilmente por todo o sudeste asiático. Por último, mas não menos importante, o país é francamente bonito!

 

Nomadismo Digital na Tailândia – Pontos negativos

Sinceramente, sinto que comparando com a minha primeira viagem, uma boa parte da autenticidade do país se está a perder. Obviamente que tudo muda e sei que este discurso soa a Velho do Restelo. Mas minha opinião, Chiang Mai está já demasiado hipster e perdeu boa parte do seu encanto. O que mais me mói é que é notário que “tudo aquilo” existe para estrangeiros apenas. Ou seja, que os locais pouco ou nada desfrutam do que ali existe.

Contudo, turismo e Tailândia sempre andaram de mãos dadas! Logo, se querem ver uma Tailândia mais Tailândia, cidades como Chiang Rai ou Ayutthaya cumprem bem!