o-que-nao-fazer-em-viagem

O que não fazer em viagem

Vai viajar é muito lindo, sim senhora, mas isso não significa que tudo é livre e permitido. Eis o que não fazer em viagem!

1. Desrespeitar os lugares sagrados (dos outros)

Para começar, se vai viajar, vai com certeza em busca do diferente e do novo. Logo, mente aberta. Por exemplo, por mais católico(a) que seja, lembre-se que o “sagrado” é um termo vasto. E da mesma forma de que não gostaria de ver alguém a dançar samba numa igreja, também convém respeitar (e acatar) se lhe pedem para colocar um lenço numa mesquita ou tapar as pernas num templo hindu.

2. O mesmo com os lugares solenes

nao-fazer-em-viagem
No Memorial do Holocausto em Berim

Ir tirar selfies em Auschwitz não é fixe. Também não é fixe subir aos blocos do Memorial do Holocausto em Berlim, para uma vista mais bonita ou umas fotos malucas. Há sítios e monumentos marcados por uma história triste e pesada, que consequentemente é importante respeitar. Aquilo que para si é um monumento giro, para muitos simboliza perda e morte. Assim sendo, comporte-se!

3. Não dar dinheiro a crianças

Pessoalmente, sou da opinião de que lugar de crianças é na escola. Logo, nunca dou dinheiro, nem financio actividades com crianças! Tal só vai fazer que as continuem a usar para pedir e para conseguir dinheiro.
Eu sei que nem todas têm redes ou traficantes por trás. Também sei que para muitas famílias, aquele (mesmo que pouco) dinheiro faz toda a diferença.  Mais sei também que não é fácil resistir – na Índia, então, doía não o fazer! Todavia, essa não é a solução. Por essas e por outras que sou muito céptica quanto ao volunturismo, o voluntariado em viagem. Se querem ajudar, investiguem e apoiem ONGs locais, seja financeiramente, bens ou alimentos.

4. Não financiar actividades com animais

turismo-exploracao-animal
Na minha opinião é óbvio que tigres não gostam de festinhas de humanos, elefantes não pintam quadros e macacos não nascem a saber dançar o tango. Creio também que estamos todos de acordo quanto a isto, certo?
Assim sendo, porquê dar dinheiro e financiar actividades que exploram e maltratam animais?

Obviamente que há santuários e até zoos que fazem um bom trabalho. Nesse sentido, se algum dia vão a Chiang Mai na Tailândia, suuuper recomendo o Elephant Nature Park. Assim como há formas onde pode ver os animais, mas sem interferir no seu habitat – como um safari no Kruger, na África do Sul.

Ou seja, mais do que não financiar actividades com animais, o meu conselho é: investiguem sempre, SEMPRE! Até porque não é porque o parque de tigres é gerido por monges tailandeses que o local é de confiança. Aliás, basta uma pequena pesquisa online para perceber que já vários templos foram fechados pela polícia, por se comprovar que havia maus tratos aos bichos.

5. Superioridade moral

Ir para o Brasil gabar-se das Descobertas portuguesas é no mínimo estúpido e sem noção! A menos que achem que gabar-se da morte e maus tratos de milhões de pessoas, seja uma coisa inteligente!
Logo, também não faz sentido achar que Portugal (ou qualquer outro país) é melhor e com uma história mais interessante/superior/impressionante do que outro! Aproveite a viagem para aprender. Aliás, nada como viajar para descobrir o quão pouco sabemos!

6. Não desrespeitar o país onde está

Este ponto está um pouco relacionado com o ponto 5. Afinal, da mesma forma de que não gosta de ser insultado em sua casa, também não faz sentido chegar a um país e começar a criticar tudo, desde a política, às tradições, comida, etc. Obviamente que tem direito à sua opinião e pode até expressá-la, mas há (boas) formas de fazer!
Pessoalmente, acho que neste campo os portugueses conseguem ser um bocadinho chatinhos em viagem. Sobretudo com a comida – ele é o café que é caro e mau, a comida que é gordurosa, etc. Às vezes, parece que quando saem do país, Portugal vira um paraíso!

7. Aprender um bocadinho da língua

Quando viajo, faço sempre por aprender “obrigada” e “olá” no idioma do país onde estou. Um gesto pequeno e delicado, mas que mostra alguma consideração. Afinal, ninguém tem obrigação de falar o meu idioma, nem inglês – excepto se está a viajar no Reino Unido, EUA, etc., vá!

8. Não poluir

viagem-nao-fazer
Este é daquele pontos para não fazer em viagem, nem no país local. Parece até ridículo escrever isto aqui! Contudo, quando olhamos para fotografias de praias paradisíacas na Indonésia ou na Tailândia, fica claro de que não é assim tão insignificante. Assim sendo, por favor, não seja porcalhão e deite o lixo no lixão! Não só o país onde está de viagem, mas também o planeta agradecem!

9. Go Local

Isto significa apoiar negócios locais, assim como os seus habitantes. Por exemplo: em vez de ir ao Starbucks, beba o seu café local ou opte por comer num restaurante que apoie produtores locais, em vez de ir ao MacDonalds! Enfim, são pequenos detalhes, mas que podem ter um grande impacto quando decide viajar para um país em desenvolvimento!

10. Pessoas não são atracções

Imagine que vai a entrar em casa e um estranho lhe começa a tirar fotografias. Aposto que não gostaria e que iria até chamar a polícia. Assim sendo, porque chegar a um local e começar a disparar na cara de desconhecidos? Pessoas não são peças de museu! Se quer fotografar alguém e, mais importante ainda, os filhos de alguém, seja educado e peça primeiro!

E já que falamos em fotografia, num tempo de selfies e de mil poses, um pouco de senso e de sentido de espaço comum precisa-se! Respeite as outras pessoas na hora de ficar a pousar para 143 fotografias. Tal como o seu, também o tempo delas é precioso!