360meridianos

360meridianos

Viajantes Barrigudos: Luíza Antunes dos 360meridianos

360meridianos é o site de viagens da Luíza Antunes, mas também da Natália Becattini e do Rafael Sette Câmara. Os três brasileiros criaram o site de viagens em 2011, antes de irem para a Índia. O projeto cresceu, as viagens aumentaram e eles não têm parado de mostrar que é possível viajar por conta própria e de forma económica. No Viajantes Barrigudos de hoje falamos sobre viagens e comida como a Luíza.

“Uma boa refeição faz com que eu ame ou não goste tanto de um destino. Meu orçamento para “comida”, mesmo quando viajo de forma econômica, é sempre generoso – mais generoso do que com acomodação, inclusive. “
360meridianos-Luiza
Luiza do site 360meridianos no Cairo
1. Sem ser a parte da sobrevivência, qual a importância da comida quando viajas?
Quando eu comecei a viajar, com meus 20 poucos anos, confesso que comida era apenas uma questão de sobrevivência, porque eu tinha pouquíssimo dinheiro. Hoje, isso mudou muito. Pesquiso antes da viagem, pratos que tenho que comer e restaurantes para visitar. Uma boa refeição faz com que eu ame ou não goste tanto de um destino. Meu orçamento para “comida”, mesmo quando viajo de forma econômica, é sempre generoso – mais generoso do que com acomodação, inclusive.
 
2. Já alguma vez escolheste um destino em função da gastronomia local?
Nunca escolhi um destino apenas pela gastronomia, mas a ideia de experimentar a gastronomia local é algo que sempre me empolga, quando vou escolher um destino. Por exemplo, quando planejei visitar o Alentejo, em Portugal, um dos principais motivos era provar todas as comidas que meus amigos portugueses sempre fizeram tanta propaganda.
 
kebab-Turquia
Foto de @360meridianos | Kebab na Turquia
3. Gastronomia/país que mais te surpreendeu no que toca à comida?
A Grécia e a Turquia, que inclusive tem muitas semelhanças gastronómicas, são dois dos países que mais me surpreenderam. Sim, eu esperava comida boa, mas não imaginava que seria tão boa e temperada com tanto capricho. Inclusive, até hoje o texto que escrevi sobre a comida grega é um dos mais populares do blog. Também temos um post só sobre comida turca.
 
4. Melhor comida de rua 
Pita Gyros em Ksamil, na Albânia. Até hoje, quando eu experimento outros gyros, estou em busca dos sabores maravilhosos que a versão albanesa me ofereceu. Nunca encontrei igual.
 
5. A melhor refeição em viagem 
Não consigo responder essa pergunta. Tive muitas refeições especiais em vários lugares. Uma refeição memorável não tem só a ver com a boa comida, mas também com a experiência, com a história do lugar e do prato e claro, a companhia. Temos uma série especial de posts no 360meridianos chamada “Comida com História” onde compartilhamos histórias e curiosidades sobre alimentos e refeições para além de simplesmente saborear um bom prato.
6. A pior refeição em viagem
Na Tailândia, quando ainda viajava naquele esquema de “comida para sobreviver”, tínhamos um orçamento muito limitado e ao invés de comer mais da incrível gastronomia local, comíamos quase diariamente um hotdog horrível e insosso da rede 7Eleven. Só de lembrar me embrulha o estômago.
 
7. A refeição mais cara 
Provavelmente foi em São Paulo, que pode ser uma das cidades mais caras para se comer no mundo. Fui ao Figueira Rubaiyat certa vez com a minha família. É um restaurante de carnes nobres a la carte, bastante caro. Comi baby beef com batatas soufflée. Minha melhor memória, no entanto, era do buffet de sobremesas e o pudim de doce de leite dos deuses. A conta sai por volta de 250 reais (cerca de 60 euros).
 
cozido-de-furnas-açores
Não é uma comida estranha, mas uma comida curiosa
8. A comida mais estranha até hoje e onde
Eu confesso que não sou de provar coisas muito estranhas. No máximo, provei carnes de bichos diferentes: pombo assado em Cairo, carne de cobra grelhada num jantar em Brasília, escargot na França. Também adorei ter experimentado – apesar de não ser estranho, é muito curioso – o cozido no calor do vulcão de Furnas, nos Açores.
9. Que comida mais sentes falta em viagem?
Sinto muita falta de pão de queijo. É o lanche perfeito e não se encontra em lado nenhum com o mesmo sabor e qualidade de Minas Gerais.
 
10. Se tivesses de escolher um tipo de comida, para comer para sempre, seria:
Comida mineira: pão de queijo, feijão tropeiro, mandioca, linguiça, torresmo, costelinha de porco, couve refogada, tutu, angu, doce de leite, goiabada, queijo canastra… A lista é enorme e até é bom eu não comer isso sempre ou seria impossível manter o peso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *